Azure Striker Gunvolt, um Mega Man de alta voltagem


O artigo Azure Striker Gunvolt, um Mega Man de alta voltagem foi publicado originalmente em Mola! em 29 de julho de 2018.


Azure Striker Gunvolt (Gunvolt, o Choque Celeste) é… difícil de definir. Vaia, se nos queremos pôr técnicas, é um jogo de açom e plataforma, de scroll lateral em 2D e com um desenho em pixel art. Mas nom queremos, porque isso só o entende a gente que está mui metida no tema, e esta análise pretende ser para todo o mundo.


Vamos ver, para nos entendermos, o jogo viria sendo um estilo Mega Man, e claramente essa é a sua inspiraçom. Concretamente, poderia comparar-se às franquias Mega Man X e Mega Man Zero, mas com suficientes diferenças como para poder brilhar por si próprio. Por riba disto, a história é-nos apresentada num estilo mui anime. Nom é só nos desenhos das personagens, claramente de aparência manga, nem no feito de ter vozes em japonês. A narrativa, a temática, as cinemáticas, todo leva a que tenhas a sensaçom de estar a ver um episódio de anime.

HISTÓRIA

Vamo-nos meter já em farinha. No futuro, existem pessoas chamadas “adeptas” que possuem “poder séptimo”. Umha cousa assim como os X-Men, vaia. No caso do Gunvolt, o seu poder séptimo tem a ver com a eletricidade, visível numha “corona” que sai ao redor do nosso protagonista quando o poder é ativado.


A história começa com o Gunvolt sendo presso do Grupo Sumeragi, que obviamente som “os maus”. O Gunvolt nom tarda em libertar-se e ir cumprir a sua missom, que consiste em eliminar a Musa (também chamada Lumen), já que com o seu poder os Sumeragi poderiam controlar todos os adeptos. Mas quando vai concluir a missom, descobre que Lumen nom é mais que o poder séptimo de umha meninha chamada Joule, e claro, pois nom quer matá-la. Entom deserta da sua equipa, a P.L.U.M.A., e converte-se num agente freelance.

JOGABILIDADE

A principal diferença deste jogo e os Mega Man é o método em que destróis os inimigos. A arma fai pouco dano e serve principalmente para marcar, sendo o poder séptimo, a corona elétrica, o que realmente fai o trabalho. Além disto, tem umha capa de personalizaçom importante, com diferentes objetos que se podem equipar e outorgam vantagens à hora de jogar. Estes objetos vam-se sintetizando com peças que consegues ao concluir as fases, polo que se queres ter todos vás ter que botar bastantes horas rejogando fases.


As missões para passar nom som muitas, dá para passar o jogo inteiro numha tarde, incluindo a procura das 7 joias necessárias para ver o final bom do jogo. Já se queres passar todos os desafios, concluir todas as missões com nota S+, subir de nível ao máximo, sintetizar todos os objetos… pois aí já o jogo é um chisco mais longo. Mas sinceramente, nom o recomendo. Com terminar a história principal vendo o final bom é suficiente para desfrutar do jogo e poder continuar com a sua sequela. Como, que nom dixera que há umha sequela? Pois há. Mas dela já falaremos noutra análise no futuro.

LÍNGUA

O jogo está disponível em várias línguas, entre as quais está a nossa. Concretamente, o jogo está totalmente localizado no português do Brasil, mas a qualidade nom é todo o boa que devera. Nom chega aos níveis da traduçom espanhola do Final Fantasy VII (¡Allé voy!), mas… é melhorável. Porém, o facto de que cada vez mais jogos tenham disponível a nossa língua em qualquer das suas variedades é algo que agradecer.

E ONDE PODO JOGÁ-LO?

O jogo originalmente foi lançado para a 3DS, e na eshop podes descarregá-lo em formato digital por 12,99 €. Mais tarde foi publicado em PC, e podes comprá-lo em Steam por 14,99 €. Eu pessoalmente joguei a versom de Switch, que reúne o primeiro e segundo jogo da série num só pack chamado Azure Striker Gunvolt: Striker Pack, disponível em cartucho ou digital por uns 34,99 €. Um pouco menos se sabes comprar bem. Este pack também tem versom física para a 3DS, mas se queres comprá-lo… boa sorte!

VEREDITO FINAL

Entom, paga a pena? A resposta é sim. É um jogo bom, entretido e bem feito. Se calhar é melhor aguardar a umha rebaixa em Steam ou na eshop da Switch, mas definitivamente é umha compra da que nom te vás arrepender. E sim, em digital está bem, a versom física nom achega nada, só é interessante se a vês de segunda mão e podes poupar uns eurinhos.