Review: The Day of The Doctor [Doctor Who]


O artigo Review: The Day of The Doctor [Doctor Who] foi publicado originalmente no blogue abraiante.net em 25 de novembro de 2013.



SPOILERS, SWEETIE!

Não leias esta publicação a menos que visses "The Day of The Doctor", o episódio especial do 50º aniversário da série Doctor Who. Se já o viste, continua a ler.



Muitos anos passárom desde aqueles episódios que emitiam nos anos 80 na televisão galega, protagonizados por um homem estranho com um cachecol gigante de cores. Nem me lembro de se cheguei a vê-los na época ou é só uma falsa lembrança. Quem sabe. O que importa é que agora estamos aqui, no 50º aniversário, e Doctor Who está mais vivo do que nunca, como demonstra o facto de que o episódio especial fosse emitido simultaneamente em 94 países. Mas se queredes saber de records podedes ler um livro, hoje vamos falar sobre esse episódio especial, The Day of The Doctor.

OS TRÊS DOUTORES

A história é a combinação de 3 histórias. Duma banda, o War Doctor enfrenta-se à decisão de ativar o Momento, destruindo Gallifrey e aniquilando todos os Senhores do Tempo e os Daleks de vez. Doutra, o 10º Doutor enfrenta-se aos Zygon e à rainha Elizabeth I. E por último o 11º Doutor, o atual, é reclamado por UNIT para ressolver um assunto que tem que ver com uns quadros.

O bom do episódio, o que o fai especial, chega no momento em que as três histórias se cruzam. A dinâmica entre os 3 Doutores é genial, e a química que têm o 10º e o 11º juntos é inegável. Ainda assim, tenho de dizer que o 10º às vezes fai um pouco de parvo, mais do que deveria, fazendo que o 11º tome o papel de líder e não chegue a mostrar a sua cara mais excêntrica. No entanto, o War Doctor, interpretado impecavelmente por John Hurt, fai perfeitamente a sua figura de avô rosmão.

COMO SE INTEGRA O EPISÓDIO NA HISTÓRIA

Desde o ponto de vista o 11º Doutor, a história acontece depois do final da sétima temporada (The Name of The Doctor). Desde o ponto de vista do 10º Doutor, acontece antes de The End of Time, o especial onde se regenera. Desde o ponto de vista do War Doctor, situa-se tempo depois do minisódio The Night of The Doctor, no último dia da Guerra do Tempo. E desde o ponto de vista da Guerra do Tempo, acontece depois de The End of Time, depois de que Rassilon tentasse fugir ao bloqueio temporal e fosse impedido polo Doutor e o Mestre. É um pouco timey-wimey, mas é assim como é.

Ora bem, o que tem este episódio é que muda a mitologia da série atual, e não gosto disso. Já no final da sétima temporada não gostei de que fosse Clara quem indicasse ao 1º Doutor que TARDIS devia roubar, mas neste episódio fôrom além e mudárom a história mesma da Guerra do Tempo. Nas primeiras temporadas da série nova, o 9º e o 10º estavam desolados por ser os causante do genocídio da sua própria raça, e isso é o que fijo deles o que fôrom, o que definiu o seu caráter, o que fijo que ao longo da série pudéssemos ver a tristeza oculta baixo a sua aparência alegre. Tudo isso mudou radicalmente depois deste episódio, e não sei se pagaria a pena.

REGENERAÇÃO

Fazia falta inventar uma regeneração desconhecida do Doutor? Não podia o 8º Doutor ter tomado esse papel? Está mui bem isso de "Doctor no more", mas... não me convence. Parece-me mais bem que Steven Moffat necessitava um Doutor mais para aumentar o número de regenerações do Doutor e assim ser ele mesmo quem ponha solução ao problema do limite de regenerações. Porque com o War Doctor, o 11º Doutor é a 12º vida, sendo a sua regeneração deste Natal a última. Ou, se formos mais meticulosos, o 10º Doutor regenera-se nele mesmo em The Stolen Earth/Journey's End, o que faria do 11º Doutor a sua última forma, impedindo que poda regenerar-se mais.

O lado bom é que por fim vimos as regenerações que faltavam na série... mais ou menos. O 8º Doutor regenerasse no War Doctor no minisódio The Night of The Doctor, mas não chegamos a ver a regeneração completa. A câmara aponta a outro lado e só depois vemos o reflexo do War Doctor. Já ao final de The Day of The Doctor, vemos como o War Doctor se regenera no 9º... mais ou menos. De novo, vemos como começa a regeneração, mas como Christopher Eccleston não quijo participar (que che custava fazer só duas cenas de nada, ho!) não vemos como acaba.

IDADE

Nos últimos tempos houvo muito debate sobre a idade real do Doutor, já que é bastante inconsistente ao longo da série. Neste especial temos a resposta certa, dita polo 11º Doutor:

"I don't know, I lose the track. Twelve hundred and something, I think, unless I'm lying. I can't remember if I'm lying about my age - that's how old I am."

(Não sei, perdim a conta. Mil e douscentos e algo, penso, a menos que esteja a mentir. Não consigo recordar se estou a mentir sobre a minha idade, essa é a idade que tenho.)

OS OUTROS DOUTORES

Além do 10º, o 11º e o War Doctor, temos mais aparições especiais. No momento de salvar Gallifrey aparecem todas as caras do Doutor. E aqui tenho que apontar duas cousas. Primeiro, é uma mágoa que tivessem que reutilizar uma cena do 9º Doutor, Christopher Eccleston podia ter acedido a gravar uma frase simples que incluísse o seu bordão, Fantastic!. E segundo, que apareça Peter Capaldi está bem, mas... sobra um pouco. Compreendo que queriam surpreender, metê-lo inesperadamente no episódio e tal, mas é que é o único Doutor futuro que aparece, e depois nem figura na cena onde se vê todos os Doutores juntos olhando para Gallifrey.

E, como surpresa final, temos o 4º Doutor. Surpresa surpresa não foi, a verdade, já que Tom Baker botou a língua a pascer antes de tempo, mas foi igualmente emotiva. Tom Baker é o Doutor mais conhecido da era clássica e o mais velho dos Doutores vivos (o 1º, 2º e 3º lamentavelmente faleceram), e vê-lo falar com o Doutor atual é um presente imenso para os fãs mais fiéis.

Então, recapitulemos. O 1º, 2º e 3º Doutores faleceram, o 4º aparece no especial, o 8º protagoniza o miniepisódio The Night of The Doctor, o 9º não quijo aparecer, 10º, 11º e o novo War Doctor são os protagonistas e 12º fai um cameo. Onde deixa isto aos 5º, 6º e 7º? Pois figérom o seu próprio especial, The Five(ish) Doctors Reboot.

A MINHA OPINIÃO

Pois... esperava outra cousa. Eu pensei que seria uma cousa épica, mais tipo The End of Time, com o Doutor a lutar na Guerra do Tempo e enfrentando situações trágicas. Porém, temos un episódio que sabe mais a comédia que a ação, o qual está genial, mas não é o que esperava. Além disso, a falta do 9º, a invenção do War Doctor ou a mudança da mitologia da série moderna são apostas mui arriscadas, e não estou demasiado cómodo com elas.

Mas se um episódio é capaz de ter tantas cousas que não me agradam e, mesmo assim, conseguir que gostasse tanto dele, é que é uma obra mestra.

P.S: Que a última frase do 10º fosse de novo "I don't wanna go" só pode ser produto da mente dum génio do mal com uma crueldade sem limite e um coração negro como o tição.